O herpes, ou a infecção por herpes vírus é uma Doenças sexualmente transmissíveis

Como a endometriose é diagnosticada

Os desafios permanecem na identificação dessa condição

Endometriose é uma doença muitas vezes dolorosa na qual o revestimento do útero, chamado de endométrio, se estende além dos limites do útero. A endometriose1 afeta mais comumente os ovários, tubos de falópio e tecidos da parede pélvica. Uma vez que o crescimento excessivo endometrial vai quebrar e sangrar da mesma forma que faria durante um ciclo menstrual normal, qualquer tecido deslocado pode ficar preso, causando irritação e a formação de aderências (tecidos cicatrizados que grudam órgãos e tecidos juntos).

Um diagnóstico correto é essencial para o tratamento oportuno e eficaz da endometriose.

Isso normalmente envolve uma revisão de seus sintomas, um exame físico e uma combinação de exames laboratoriais e de imagem para identificar as lesões e aderências características da doença. Sua condição seria então encenada (categorizada pela gravidade) para direcionar o curso adequado do tratamento.

Embora os sintomas da endometriose (dor e sangramento, entre outros) possam ser marcantes e graves, diagnosticar a doença muitas vezes pode ser desafiador. Isso se deve, em parte, ao fato de que dor e sangramento podem ser causados por qualquer número de outras condições, algumas das quais podem coexistir com a endometriose.

Também não é incomum para uma mulher com endometriose ter outras síndromes de dor, como síndrome da bexiga dolorosa, síndrome do intestino irritável ou fibromialgia — tudo isso pode imitar os sintomas da endometriose. Mesmo que as lesões características4 sejam encontradas, a endometriose pode ser apenas uma das várias causas possíveis.

Além disso, a extensão das lesões não necessariamente confere a gravidade dos sintomas. Algumas mulheres podem ter sintomas graves e ausência completa de lesões, enquanto outras terão lesões generalizadas e nenhum sintoma. A ampla variabilidade dos sintomas pode levar a diagnósticos errados frequentes, tratamento atrasado e redução da qualidade de vida.

De acordo com uma revisão de estudos de 2019 no American Journal of Obstetrics and Gynecology,5 o tempo médio entre o início dos sintomas e o diagnóstico de endometriose oscila entre quatro e onze anos.

Essas barreiras levaram alguns especialistas a pedir uma mudança na forma como a endometriose é definida. Ao invés de basear um diagnóstico na histologia (características microscópicas) da doença, eles acreditam que maior ênfase deve ser colocada nos sintomas e com uma ênfase menor na presença ou ausência de lesões. 5

Auto verificações e testes em casa

Não há testes domiciliares ou autoexame capazes de diagnosticar endometriose. Dito isso, conhecer os sinais e sintomas da endometriose — e como comunicá-los ao seu profissional de saúde — pode aumentar a chance de um diagnóstico correto.

Um dos desafios no diagnóstico da endometriose é a “normalização” dos sintomas, não só por profissionais, mas pelas próprias mulheres.

Como os sintomas geralmente ocorrem em conjunto com a menstruação, as pessoas muitas vezes os descartam, assumindo que é um período pesado e não conseguem investigar os sintomas até meses ou anos depois.

O próprio fato de que os sintomas ocorrem durante o período deve ser um sinal de alerta de que a endometriose é uma possibilidade. Embora a dor e o sangramento possam ocorrer fora do seu ciclo normal, é a natureza cíclica da endometriose que mais comumente tipifica a desordem.

Outros sinais de contar histórias para procurar incluem:

  • Dor pélvica crônica não menstrual. A dor6 pode ocorrer por conta própria ou em resposta a estímulos tipicamente não dolorosos (como a relação sexual ou a inserção de um absorvente).
  • Sangramento entre períodos, que nunca deve ser considerado normal. Urinação dolorosa7 (disúria) e coagulação também podem acompanhar esse sintoma.
  • Ter outras síndromes de dor, como IBS e enxaquecas, o que também deve levantar a possibilidade de endometriose. De acordo com pesquisa publicada na Clinical Obstetrics and Gynecology, 20% das mulheres com endometriose terão síndromes de dor concomitantes.
  • Defecação dolorosa (disquezia), que pode ocorrer se as lesões endometriais se infiltraram no intestino. 8
  • Insucesso no alívio à dor com anti-inflamatórios não esteroides (NSAIDs), tais como Motrin (ibuprofen) ou Aleve (naproxeno), o que também é característico da endometriose. Embora os NSAIDs possam reduzir a dor e o desconforto do seu período, eles geralmente são inadequados ao tratar a endometriose.

Mesmo que seus sintomas não sejam claros ou consistentes, é importante transmiti-los ao seu profissional de saúde. Se o seu praticante os minimizar ou não o ouvir, não hesite em procurar uma segunda opção de um ginecologista qualificado.

Pontos-chave

Se você minimizar seus sintomas de endometriose, seu profissional de saúde provavelmente fará o mesmo. Certifique-se de levantar quaisquer preocupações que você tenha, não importa o quão mínimo. Dessa forma, qualquer dor ou sinais de complicação não serão negligenciados, seja endometriose ou outra condição subjacente.

Sinais e Sintomas da Endometriose

Laboratórios e Testes

A investigação do seu profissional de saúde começará normalmente com uma revisão de seus sintomas, histórico médico e fatores de risco para endometriose. Isso seria seguido com um exame pélvico2 no qual você seria solicitado a tirar o roupão da cintura para baixo. Nosso Guia de Discussão de Médicos abaixo pode ajudá-lo a iniciar uma conversa com seu provedor de saúde sobre a interpretação dos resultados do laboratório e muito mais.

Guia de Discussão médico endometriose

Obtenha nosso guia imprimível para a próxima consulta médica para ajudá-lo a fazer as perguntas certas.

Parte inferior do formulário

Exame Pélvico

A investigação séria centrada em torno da pélvis, mas também pode incluir o abdômen inferior e um exame reto-vaginal. Isso normalmente envolveria um exame pélvico bimíngue,9 em que o tecido externo é palpado (tocado) com uma mão enquanto a vagina é examinada internamente com a outra.

Um exame bimíngue às vezes pode identificar nódulos, o espessamento dos ligamentos ou a ternura excessiva (hiperalgesia -DOR) sugestiva de endometriose.

Outros sinais comuns incluem uma “pelve congelada”10 (devido ao acúmulo excessivo de cicatriz em torno dos ligamentos pélvicos) e um “útero fixo” (no qual o útero não se move livremente com palpação).

O profissional de saúde também pode usar um espéculo para visualizar a vagina internamente. Em alguns casos, um exame de espéculo pode revelar o crescimento excessivo do tecido ou um “colo do útero deslocado” (no qual a posição do colo do útero é alterada devido a cicatrizes).

De um modo geral, porém, um espéculo raramente é útil para fazer um diagnóstico, uma vez que as pistas visuais tendem a se desenvolver apenas nos estágios posteriores da doença.

Um exame pélvico só é moderadamente confiável para fazer um diagnóstico.

De acordo com uma revisão de 2010 em Obstetrícia Clínica e Ginecologia, 47% das mulheres com endometriose farão um exame pélvico perfeitamente normal. Um exame pélvico tende a ser mais confiável quando você está sintomático e/ou tendo seu período.

Testes de laboratório

Um teste de laboratório, conhecido como antígeno do câncer, pode ser usado para apoiar um diagnóstico. O teste CA-125 é normalmente usado quando o câncer de ovário é uma suspeita, contudo, também pode apontar para outras condições que afetam o trato reprodutivo feminino, incluindo endometriose, miomas, tumores benignos e cânceres do endométrio ou tubos de falópio.

O CA125 é propenso a falsos positivos e falsos negativos e tende a ser mais preciso durante a doença avançada. O valor normal para o teste CA125 é nada menos que 46 unidades por mililitro (U/mL). No entanto, é importante lembrar que um valor CA125 normal não exclui a endometriose ou qualquer outra condição que afete os órgãos reprodutivos femininos. 12

Por essa razão, o CA125 não é usado para fazer um diagnóstico definitivo. Normalmente é realizado se seus sintomas e exame pélvico sugerem endometriose. Os resultados desses exames podem ajudar seu médico a decidir se investigações mais invasivas são justificadas.

Apesar de seu uso no diagnóstico, o CA125 não é usado para triagem de endometriose ou qualquer outra doença.

Imagiologia

Seu médico pode pedir exames de imagem1 se a endometriose for fortemente suspeita e as lesões forem por demais profundas para serem identificadas por um exame pélvico. Geralmente, os exames de imagem são apenas de uso limitado, pois lesões menores e aderências tendem a ser perdidas.

Existem três exames de imagem comumente utilizados para o diagnóstico de endometriose: ultrassom, ressonância magnética (RM) e tomografia computadorizada (TC).

Ultrassom

O ultrassom é uma tecnologia na qual ondas sonoras criam imagens detalhadas. Para capturar imagens de seus órgãos reprodutivos, um dispositivo chamado transdutor é pressionado contra seu abdômen ou inserido em sua vagina (ultrassom transvaginal). Isso pode revelar o espessamento anormal de tecidos, endometriomas (massas semelhantes a cisto dentro de um ovário), e lesões profundas e nódulos.

Ressonância Magnética (RM)

A ressonância magnética é uma tecnologia que usa ondas magnéticas e de rádio para criar imagens altamente detalhadas, principalmente de tecido mole. A ressonância magnética é mais precisa que o ultrassom, mas também muito mais cara. Seria mais provável que fosse ordenada se a endometriose fosse fortemente suspeita, mas nenhuma outra avaliação não cirúrgica foi capaz de suportar o diagnóstico.

Tomografia Computadorizada (TC)

Esta é uma forma de raio-X na qual um computador renderiza “fatias” transversais do seu órgão para criar imagens de três dimensões. 15 Não é útil para diagnosticar a endometriose, mas pode ser ordenada se os rins ou uretra (o tubo através do qual a urina deixa o corpo) estiver envolvido.

Além dos exames de imagem, existem outros procedimentos cirúrgicos que seu profissional de saúde pode usar para chegar a um diagnóstico de endometriose.

Laparoscopia

Laparoscopia é um procedimento cirúrgico no qual um escopo de fibra óptica é inserido através da parede do abdômen para visualizar os órgãos internos. 16  É considerado o padrão-ouro para o diagnóstico de endometriose, permitindo a visualização direta do crescimento excessivo do tecido.

O teste é realizado sob anestesia geral em um hospital. Geralmente, uma pequena incisão é feita perto do umbigo através do qual o dióxido de carbono é injetado para inflar o abdômen. Um laposcópio esguio e iluminado é então inserido para ver seus órgãos reprodutivos em um monitor de vídeo.

Uma vez concluído o exame, o laparscópio é removido e a incisão costurada. Uma laparoscopia pode ser realizada muitas vezes ambulatorialmente. Embora valioso, no entanto, o teste não é sem suas limitações.

Dependendo do quão claro é o crescimento excessivo, o cirurgião pode não ser capaz de confirmar a endometriose apenas na visualização.

Em muitos casos, seria realizada uma biópsia na qual o tecido é cortado durante o procedimento e enviado ao laboratório para avaliação microscópica.

De acordo com um estudo da Universidade de Kiel, na Alemanha, 15,9% das mulheres sem sinais de endometriose em um exame laparoscópico foram confirmadas como endometriose com base na avaliação de uma biópsia tecidual. 17

Estadiamento de doenças

Uma vez diagnosticada a endometriose, a doença será encenada para direcionar o curso adequado do tratamento. A laparoscopia é necessária para encenar a doença — a endometriose não pode ser encenada apenas com um exame pélvico ou exames de imagem.

A classificação de endometriose da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM) é atualmente o sistema de estadiamento mais utilizado. Opera em uma escala de 1 a 4, com pontos dados para o número, tamanho, localização e gravidade das lesões, aderências e cistos. 18

A classificação ASRM é a seguinte:

  • A fase 1 (1 a 5 pontos) indica evidências visuais mínimas de endometriose com algumas lesões superficiais.
  • O estágio 2 (6 a 15 pontos) indica doença leve com mais lesões mais profundas.
  • Estado 3 (16 a 40 pontos) é endometriose moderada com muitas lesões profundas, pequenos cistos em um ou ambos os ovários, e a presença de aderências.
  • O estágio 4 (acima de 40) é uma forma grave da doença com muitas lesões profundas, cistos grandes em um ou ambos os ovários, e múltiplas aderências.

É importante notar que o escore de encenação não se correlaciona de forma alguma com a presença ou gravidade dos sintomas. É simplesmente usado para garantir que a condição não seja nem subtratada nem supertratada.

A laparoscopia também pode ser usada para tratar cirurgicamente a endometriose ou monitorar sua resposta ao tratamento após a cirurgia.

Diagnósticos Diferenciais

À primeira vista, os sintomas da endometriose podem ser facilmente atribuídos a qualquer número de outras condições. Ao mesmo tempo, não é incomum que a endometriose coocorra com outros distúrbios ginecológicos, urológicos ou digestivos, cada um dos quais pode exigir tratamentos diferentes.

Para garantir o diagnóstico correto, o profissional pode solicitar outros exames (como um Papanicolau e um teste de gravidez) para descartar outras possíveis causas de seus sintomas. Isso é imprescindível se os resultados dos testes preliminares não forem conclusivos.

Seu profissional de saúde pode querer investigar as seguintes condições (entre outras).

  • A doença inflamatória pélvica (DPI) é uma infecção dos órgãos reprodutivos femininos. Geralmente envolve uma bactéria sexualmente transmissível (como clamídia ou gonorreia) que se moveu da vagina para o útero, tubos de falópio ou ovários. PiD19 pode ser frequentemente confirmado com uma cultura bacteriana da descarga vaginal.
  • Cistos ovarianos são saco sólidos ou cheios de fluidos dentro ou na superfície de um ovário. Os cistos não cancerosos podem ser causados por muitas razões, incluindo síndrome do ovário policístico (SPC), e podem ser diferenciados por ultrassom transvaginal ou biópsia laparoscópica.
  • A síndrome do intestino irritável (SII) (esta é considerada, também, uma forma de fibromialgia e pode ter as dores tratadas com óleo de canabidiol de maneira muito eficiente) é caracterizada por crises de diarreia, prisão de ventre e cólicas abdominais. O diagnóstico do SII é tipicamente baseado na ausência de ultrassom, ressonância magnética ou evidência laparoscópica.
  • A cistite intersticial (IC) é uma condição crônica da bexiga21 que causa dor e pressão na região da bexiga. Geralmente pode ser diferenciado com cistoscopia em que um escopo flexível é inserido na uretra para ver o interior da bexiga.
  • A adenomiose é uma condição na qual o endométrio invade e penetra na parede do útero. 22 É geralmente diferenciado com uma ressonância magnética e muitas vezes pode coexistir com endometriose.
  • Os miomas uterinos são crescimentos benignos no útero que frequentemente aparecem durante os anos de gravidez. Não são associados a riscos aumentados de câncer uterino. A natureza fibrosa de seu crescimento é tamanha que, geralmente, podem ser diferenciados com um ultrassom transvaginal.
  • O câncer de ovário geralmente só se torna sintomático quando se torna maligno (mulheres, atenção). 24 Os sintomas podem incluir falta de apetite, aumento da cintura abdominal, prisão de ventre, necessidade frequente de urinar e fadiga crônica. Um ultrassom transvaginal combinado com um exame de sangue CA125 com alto grau de positividade (índices laboratoriais altos) geralmente ajuda na diferenciação entre câncer de ovário e endometriose.

Um ponto a ponderar

Certifique-se de falar com seu profissional ou profissional de saúde se você estiver experimentando algum sintoma inexplicável de dor ou desconforto. Embora a endometriose possa ser difícil de diagnosticar, o melhor primeiro passo é discutir seus sintomas com um profissional que pode ajudar a reduzir a condição subjacente. Mesmo que você não tenha endometriose, você pode ter outra condição tratável. Como em qualquer questão de saúde, a intervenção precoce e o tratamento são o melhor caminho para o enfrentamento e recuperação. A DOR É UM AVISO QUE ALGO NÃO ESTÁ BEM! TTRATE A DOR, MAS TRATE AS CAUSAS!

PERGUNTAS FREQUENTES

  • A endometriose pode ser detectada por um exame pélvico?

Sim, mas nem sempre é um método confiável para o diagnóstico. Quase metade das mulheres com endometriose terá um exame pélvico perfeitamente normal.

  • Há um exame de sangue para endometriose?

Sim e não. Os profissionais de saúde às vezes usam um exame de sangue conhecido como CA-125 ao diagnosticar a endometriose. O CA-125 é usado para diagnosticar câncer de ovário, mas também pode indicar outras doenças do trato reprodutivo feminino, incluindo a endometriose. O teste, no entanto, não determina, conclusivamente, se uma mulher tem ou não a endometriose.

  • Os exames de imagem podem determinar a endometriose?

Às vezes, a endometriose pode ser detectada usando estudos de imagem como ultrassom, ressonância magnética, tomografia computadorizada ou laparoscopia. Destes, a laparoscopia é a mais precisa e comumente utilizada para fazer um diagnóstico.

  • Como é confirmado o diagnóstico de endometriose?

Uma biópsia realizada durante a laparoscopia é frequentemente usada para confirmar um diagnóstico de endometriose.

  • Um Papanicolau pode detectar endometriose?

Não, um Papanicolau não pode detectar endometriose. Um Papanicolau é usado para diagnosticar câncer cervical e HPV.

Traduzido por Cláudio Souza do original em How Endometriosis Is Diagnosed escrito por James Myhre & Dennis Sifris, MD Medicamente revisado por Peter Weiss

Tem algo a dizer? Diga!!! Este blog, e o mundo, é muito melhor com amigos!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.