Sou reagente

HIV-1 e HIV-2 – Variantes Genéticas 

[vc_row][vc_column][vc_column_text]O HIV-1 e HIV-2 podem gerar cepas recombinantes emergentes continuam a desafiar pesquisadores
Uma das principais barreiras para o tratamento ou desenvolvimento de vacinas eficazes para o HIV é a alta diversidade genética do próprio vírus.

O HIV-1 e HIV-2 e As Cepas Recombinantes

Enquanto os vírus que usam DNA de dois fios para se replicar são relativamente estáveis, retrovírus como o HIV retrocedem em seu ciclo de replicação (usando RNA de cepa única) e são muito menos estáveis.

Como resultado, o HIV é altamente propenso a mutação — mutação, na verdade, cerca de um milhão de vezes mais frequentemente do que as células que usam DNA.

À medida que a diversidade genética do vírus aumenta e diferentes subtipos virais são passados de pessoa para pessoa, o material genético misto pode criar híbridos do HIV.

Enquanto a maioria desses híbridos morrem, os poucos sobreviventes frequentemente apresentam maior resistência à terapia do HIV e, em alguns casos, à progressão mais rápida da doença.

A variabilidade do HIV, portanto, cria uma espécie de “alvo em movimento” para os pesquisadores, com novas cepas recombinantes (genéticas combinadas) capazes de resistir ou escapar completamente dos agentes neutralizantes.

Alguns, como a cepa A3/02 identificada por pesquisadores suecos em 2013, conseguem esgotar as defesas imunológicas de uma pessoa muito mais agressivamente do que as cepas anteriormente conhecidas. (“CEPAS Genéticas DE HIV-1 E HIV-2 — MEDICAMENTO — 2022”)

O que são HIV-1 e HIV-2?

Existem dois tipos de HIV: HIV-1 e HIV-2. O HIV-1 é considerado o tipo predominante, representando a grande maioria das infecções em todo o mundo, enquanto o HIV-2 é muito menos comum e concentrado principalmente nas regiões oeste e centro-africana. Embora ambos os tipos de HIV possam levar à AIDS, o HIV-2 é muito mais difícil de transmitir e muito menos virulento do que o HIV-1.

Dentro de cada um desses tipos de HIV há uma série de grupos, subtipos (“clades”) e subtipos. Sem dúvida, outros subtipos e cepas recombinantes serão descobertos à medida que a disseminação global do HIV continuar.

Grupos e Subtipos do HIV-1

O HIV-1 é dividido em quatro grupos: grupo M (que significa “maior”); grupo O (que significa “outlier”, ou além de onde outros grupos são vistos); e Grupo N (que significa “não-M” e “não-O”); e Grupo P (que significa “pendente”).

Os quatro grupos diferentes são classificados pelos quatro diferentes vírus da imunodeficiência símia (SIV) que eram conhecidos por serem passados de macacos ou chimpanzés para o homem.

Grupo M do HIV-1

O Grupo M do HIV-1 foi o primeiro grupo a ser identificado e hoje representa cerca de 90% dos casos de HIV em todo o mundo e pode ser encontrado virtualmente em todas as partes do planeta. Dentro desse grupo estão 10 subtipos, que podem ser estratificados por, entre outras coisas, sua distribuição geográfica e seu impacto em diferentes grupos de risco.

• Subtipo A: visto na África Ocidental e afetando principalmente heterossexuais e usuários de drogas injetáveis (IDUs). (“Mutação do HIV – entendendo A Dificuldade de encontrar …”)
• “Subtipo B: o subtipo predominante na Europa, Américas, Japão, Tailândia e Austrália, representando quase todas as infecções na América do Norte e cerca de 80% de todas na Europa.” (“Mutação do HIV – entendendo A Dificuldade de encontrar …”) As infecções ocorrem mais entre homens que fazem sexo com homens (MSM) e UI do que heterossexuais.
• Subtipo C: descrito como o subtipo mais prevalente do HIV representando 48% de todas as infecções em todo o mundo, principalmente heterossexuais e principalmente na África Subsaariana, Índia e partes da China.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_column_text]

Um Pouco Mais Sobre HIV-1 e HIV-2

• Subtipo D: isolar-se principalmente na África Oriental e Central.
• “Subtipo E: um subtipo visto apenas em uma forma recombinante com o subtipo A.” (“Mutação do HIV – entendendo A Dificuldade de encontrar …”)
• Subtipo F: entre uma porcentagem menor de infecções observadas na África Central, América do Sul e Europa. (“Mutação do HIV – entendendo A Dificuldade de encontrar …”)
• Subtipo G: entre uma porcentagem menor de infecções observadas em partes da África e Europa.
• “Subtipo H: entre uma porcentagem menor de infecções observadas na África Central.” (“Mutação do HIV – entendendo A Dificuldade de encontrar …”)
• Subtipo J: observado na África do Norte, Central e Ocidental, e no Caribe (“Mutação do HIV – entendendo A Dificuldade de encontrar …”)
• “Subtipo K: limitado à República Democrática do Congo (RDC) e Camarões.” (“Mutação do HIV – entendendo A Dificuldade de encontrar …”)

Grupo O DO HIV-1

O Grupo O do HIV-1 foi descoberto em 1990 e representa apenas 1% das infecções em todo o mundo. Este grupo de HIV está isolado em Camarões e países africanos vizinhos.
Grupo N do HIV-1

O Grupo N do HIV-1 foi descoberto em 1998 e, novamente, só foi visto em Camarões com menos de 20 casos documentados até o momento.
Grupo P do HIV-1

HIV-1 O Grupo P é um tipo raro de HIV, identificado pela primeira vez em uma mulher de Camarões em 2009. Pode ser diferenciado de outros grupos de HIV na medida em que suas origens foram ligadas a uma forma de SIV encontrada em gorilas ocidentais. Embora a classificação “P” tenha sido feita para inferir um status “pendente” (ou seja, aguardando confirmação de infecção adicional), um segundo caso documentado foi identificado em 2011 em um homem camaronês. (“CEPAS genéticas DE HIV-1 E HIV-2 – MEDICAMENTO – 2022”)

Grupos HIV-2

Embora os casos de HIV-2 tenham sido identificados em outros lugares, as infecções são quase exclusivamente vistas na África. Atualmente existem oito grupos de HIV-2, embora apenas os subtipos A e B sejam os únicos considerados epidêmicos.

Acredita-se que o HIV-2 tenha cruzado espécies de um tipo de SIV afetando o macaco de mangabeys de fulite diretamente aos humanos.

O Grupo A do HIV-2 é visto principalmente na África Ocidental, embora as viagens internacionais tenham levado a um pequeno punhado de casos documentados nos EUA, Europa, Brasil e Índia.

Em contraste, o Grupo B do HIV-2 foi confinado a partes da África Ocidental.

Traduzido por Cláudio Souza em 4 de março de 2022, do original em Genetic Strains of HIV-1 and HIV-2  escrito por James Myhre & Dennis Sifris, MD Atualizado em 24 de outubro de 2020. Medicamente revisado por Latesha Elopre, MD, MSPH

Uma pergunta: Ser indetectável basta?

Fontes:
• Abecasis, A.; Wensig, A.; Paraskevis, D.; et al. “A distribuição do subtipo HIV-1 e seus determinantes demográficos em pacientes recém-diagnosticados na Europa sugerem epidemias altamente compartimentadas.” Retrovirologia. 14 de janeiro de 2013; 10:7; doi: 10.1186/1742-4690-10-7.
• Palma A.; Esbjörnsson, J.; Månsson, F.; et al. “Progressão mais rápida para aids e morte relacionada à AIDS entre indivíduos seroincidentes infectados com HIV recombinante A3/CRF02_AG em comparação com o subtipo A3.” Revista de Doenças Infecciosas. 1 de março de 2014; 209(5):721-728.
• Sharp, P. e Hahn, B. “Origens do HIV e da Pandemia da AIDS” Perspectivas de Cold Springs Harbor em Medicina. Setembro de 2011; 1(1):a006841.
• Vallari, A.; Holzmayer, V.; Harris, B.; et al. “Confirmação do puntivo grupo P HIV-1 em Camarões.” Revista de Virologia. Fevereiro de 2011; 85(3): 1403-1407.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Tem algo a dizer? Diga!!! Este blog, e o mundo, é muito melhor com amigos!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.