HIV E AIDS Tudo Que Você Precisa Saber – Causas e Riscos de HIV

O HIV (vírus da imunodeficiência humana) é um vírus que pode ser transmitido de uma pessoa para outra através de fluidos corporais como sêmen, sangue, secreções vaginais e leite materno. O HIV é mais frequentemente transmitido durante o sexo, mas também pode ser transmitido através de agulhas compartilhadas. O HIV também pode ser transmitido do portador do porte de mãe para a criança durante a gravidez, o parto ou durante a amamentação. 1

 

Fatores de Causa e Risco do HIV E AIDS

O que esperar antes, durante e depois de um teste de HIV

Este artigo faz parte da Health Divide: HIV, um destino da nossa série Health Divide.

 

Rotas improváveis de transmissão incluem transfusões de sangue, tatuagem e piercing corporal. 1

Outros fatores podem aumentar o risco de transmissão. Alguns dos quais são específicos para certos grupos porque fatores sociais, como discriminação e estigma, os posicionam com maior probabilidade de testar o HIV positivo. Esses grupos incluem pessoas negras, latinas, pessoas trans (especialmente mulheres trans), homens que fazem sexo com homens (HSH) e usuários de drogas. algarismo

Causas

HIV é um tipo de vírus conhecido como retrovírus. Ele funciona mirando células imunes chamadas células CD4 T que são responsáveis por instigar a resposta imune. Quando uma dessas células é infectada, o vírus vai “sequestrar” suas máquinas genéticas e transformá-la em uma fábrica produtora de HIV. À medida que a célula infectada morre, os vírus recém-emergentes continuarão a infectar outras células CD4 T. 3

Ao mirar e matar progressivamente essas células, o corpo se torna cada vez menos capaz de combater infecções contra as que de outra forma seria capaz de se defender. 3

Quando as defesas imunológicas são comprometidas, infecções oportunistas graves e potencialmente fatais  podem se desenvolver. Este é o estágio da infecção comumente conhecida como AIDS (síndrome da deficiência imunológica adquirida).

Mesmo que o HIV seja transmitido através de fluidos corporais, nem todos os fluidos corporais podem transmitir o vírus. Alguns fluidos como saliva e urina contêm níveis proeminentes de enzimas ou ácidos que impedem o HIV de prosperar. Uma vez fora do corpo, o vírus é incapaz de sobreviver por muito tempo (e geralmente não em níveis onde a transmissão é provável). 4

Além disso, o vírus deve entrar em contato com tecidos das mucosas (como encontrados no reto ou vagina) ou entrar no corpo através da pele quebrada — e em quantidades suficientes — para estabelecer uma infecção. 3

O HIV pode ser transmitido através de:

  • Sangue
  • Esperma
  • Fluidos vaginais
  • Secreções retais
  • Leite materno

O HIV não é transmitido via:

  • Saliva
  • Suar
  • Lágrimas
  • Utensílios compartilhados
  • Assentos de privada
  • Piscina ou água do banho
  • Picadas de mosquitos

Fatores de Risco Sexual

O risco de HIV do sexo varia pelo tipo de atividade sexual e outros fatores. O risco é maior quando os preservativos não são usados. E, embora seja possível não “pegar” HIV após um único ato de sexo desprotegido, as pessoas têm contraído HIV após apenas uma exposição.

De acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), o risco por ato de HIV por sexo é o seguinte:5

  • Sexo anal receptivo: 138 por 10.000 exposições (1,38%)
  • Sexo anal insertivo: 11 por 10.000 exposições (0,11%)
  • Sexo vaginal receptivo: 8 por 10.000 exposições (0,08%)
  • Sexo vaginal insertivo: 4 por 10.000 exposições (0,04%)
  • Sexo oral: O risco é baixo
  •  
  •  

Fatores de risco adicionais

Essas estatísticas por ato podem fazer parecer que seu risco geral de HIV é extremamente baixo, mas eles não pintam o quadro completo. Outros fatores de risco podem amplificar o risco, às vezes dramaticamente.

Entre os fatores de risco a serem considerados:

  • Sexo anal: O sexo anal é uma das rotas mais eficazes de transmissão porque os tecidos retais são delicados e facilmente rompidos. Ao contrário da vagina, o canal retal tem apenas uma única camada de células sobrepondo tecidos que são ricos em células CD4 T. 6
  • Sexo receptivo: Pessoas com vaginas (mulheres?) são mais propensas a obter HIV do sexo vaginal em parte porque a área de tecidos vulneráveis na vagina é maior do que as da uretra masculina. Ele se aplica a pessoas que se envolvem em sexo anal receptivo (“inferior”) que são mais propensos a pegar HIV do que seu parceiro insertivo (“top”). 5
  • Carga viral do HIV: A carga viral do HIV é um teste usado para medir a quantidade de HIV em seu sangue, que pode variar de indetectável a bem mais de um milhão. Não surpreende que ter uma carga viral elevada aumente o risco de transmissão, enquanto uma baixa carga viral diminui o risco. 7
  • Infecções sexualmente transmissíveis (ISTs): AS ISTs geralmente ocorrem com HIV e podem facilitar a infecção de diferentes maneiras. Certas IST como a sífilis causam úlceras que proporcionam ao HIV fácil acesso ao corpo. As ISTs também desencadeiam uma resposta inflamatória que atrai células imunes para o local da infecção, fornecendo mais células T CD4 para o vírus atingir e sequestrar. 8
  • Múltiplos parceiros: “Estatisticamente, quanto mais parceiros sexuais você tiver, maior é a oportunidade de testar positivo para o HIV. Além disso, uma grande rede sexual pode expô-lo a diferentes cepas de HIV resistentes a medicamentos que podem não responder tão bem aos medicamentos para o HIV. 9
  • Espermicidas: Nonoxynol-9, um espermicida usado para prevenir a gravidez, pode ser irritante e desencadear uma resposta inflamatória que aproxima as células imunes da superfície da vagina. A Food and Drug Administration (FDA) atualmente aconselha contra o uso de nonoxynol-9 se um parceiro sexual tiver HIV. 10
  • Ducha: Douching vaginal e anal tira tecidos de muco que fornecem alguma proteção contra o HIV. Há um debate sobre o quanto isso pode aumentar o risco de infecção de uma pessoa, mas as evidências atuais sugerem que a douching anal é potencialmente preocupante. 11

Quais são os sinais e sintomas do HIV nas mulheres? (em tradução)

Uso de drogas injetáveis

O compartilhamento de agulhas, seringas e outras paramentos para consumo de drogas é uma maneira bastante eficaz de passar o HIV de uma pessoa para outra. A transmissão do vírus é especialmente alta quando uma pessoa tem uma alta carga viral. 1 Outras práticas como “inicialização” ou “chute” (em que o sangue é extraído na seringa e depois injetado) amplificam ainda mais o risco. 12

Segundo o CDC, o risco de contrair HIV ao compartilhar agulhas é de sessenta e três por 10.000 exposições (0,63%). 5 Em certos países, como a Rússia, injetar o uso de drogas é o modo predominante de transmissão do HIV, não sexo. 13

Quando estava atravessando meu inferno particular, tive de enfrentar um atrapalhante social (eles existem aos borbotões) e ele me perguntou, assim, à queima roupa:

-“Como é que você pegou? Foi drogas né? Porque gay, você não é”!!! Estive a um segundo de lhe dar um direto no queixo, mas me satisfiz respondendo que peguei fazendo pergunta idiota…

Mesmo além da exposição ao sangue contaminado pelo HIV, as pessoas que estão sob a influência de drogas são mais propensas a se envolver em comportamentos sexuais de risco, incluindo sexo desprotegido, sexo com múltiplos parceiros ou trocando sexo por dinheiro ou drogas. 14

Desde a década de 1990, programas de troca de agulhas limpas reduziram com sucesso a taxa de HIV e outras doenças transmissíveis, como a hepatite C, distribuindo seringas limpas aos usuários de drogas.

HIV e Uso de Drogas Injetáveis em HSH e Mulheres Trans

Homens que fazem sexo com homens (HSH) têm mais do que o dobro de chances de injetar drogas do que outros homens, a maioria dos quais são brancos e menores de 35 anos. Mulheres trans e outras pessoas transfemininas também são mais propensas a usar drogas de injeção em comparação com a população em geral. A droga metanfetamina é especialmente preocupante, pois aumenta o risco de HIV em 50% em comparação com outras drogas injetadas (devido em parte aos comportamentos hipersexuais que pode despertar). 1516

Gravidez e Amamentação

A gravidez é um modo menos comum de infecção, mas que ainda representa riscos para certos grupos. Existem três circunstâncias em que uma mulher que dá à luz um bebê e ele pode contaminar-se com HIV pode passar o vírus para seu bebê: durante a gravidez, parto, amamentação ou amamentação (alimentando um leite de bebê do seu peito). 1

No Brasil, a transmissão vertical está erradicada. Exceto quando a mãe não se trata ou nem faz o exame. Observe, gestante, que é direito seu, por lei, que o médico peça o teste de HIV para você na primeira consulta do pré-natal. Se ele não o fizer, exija. Se ele não o fizer assim mesmo, procure a direção do hospital, a polícia, qualquer pessoa que possa fazê-lo cumprir seus deveres ou ir para a cadeia. Simples assim….

A transmissão do vírus antes ou durante o parto é em grande parte o resultado da ruptura da placenta que expõe o bebê ao sangue HIV positivo (a carga viral indetectável é um grande fator de proteção neste momento). O HIV também está presente no leite materno ou no leite materno e pode potencialmente causar infecção, particularmente se a mãe não tiver uma carga viral indetectável. 17

Nos Estados Unidos, a transmissão de nascimento de mãe para filho do HIV é rara, graças ao rastreamento pré-natal de rotina e ao uso de medicamentos antirretrovirais que podem reduzir o risco de transmissão para menos de 1%. 18 Mesmo que uma mãe chegue ao hospital em trabalho de parto chegue ao hospital sem pré-natal prévio, uma infusão intravenosa de medicamentos antirretrovirais usados em combinação com uma cesariana pode reduzir muito o risco de transmissão. 17

Nos Estados Unidos, as mães são aconselhadas a não amamentar se tiverem HIV e a dar mamadeiras em vez disso. 17 Nos países em desenvolvimento, os benefícios do aleitamento materno exclusivo (em termos de nutrição e construção da imunidade) são vistos como capazes de superar os riscos em comunidades pobres em recursos. 19

Em 2014, apenas 33 casos notificados de transmissão de nascimento de mãe para filho do HIV foram notificados nos Estados Unidos. 20

Riscos de gravidez entre mulheres negras com HIV

Apesar do número esparso de transmissões de mãe para filho nos Estados Unidos, o risco entre as mulheres negras é oito vezes maior do que nas mulheres brancas e sete vezes maior do que nas mulheres latinas. 20 Além disso, 60% das crianças vivendo com HIV nascem de mães negras com HIV. 21

Lesões com perfurocortantes

Lesões de agulha e outros perfurocortantes (às vezes referidas como lesões agudas) podem expor uma pessoa a sangue contaminado ou fluidos corporais. O risco preocupa médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde vulneráveis a infecções transmitidas pelo sangue de pacientes.

Dra. Priscila. Grávida, foi fazer uma pequena cirurgia em mim. Era a retirada de um cisto e o cisto, caprichoso como o destino, saltou direto ao olho dela, que não estava usando óculos de proteção. Ela surtou e eu saí desorientado do hospital, pois a reação dela foi a de quem sofreu envenenamento por sabe-se lá o que (eu). Horas mais tarde, com dez mil diabos, ela me ligou para pedir desculpas e explicar que era por causa do bebê dela. Eu vejo graça nisso. A mulher, grávida, se vê no direito de infringir qualquer dano moral a outra pessoa e depois dizer, com um sorriso amarelo:

-“Desculpe, foi por meu bebê”!

Eu a mandei ao diabo!

Mesmo assim, o CDC sugere que o risco é baixo devido a precauções universais que visam reduzir o risco de transmissão da doença aos profissionais de saúde. Hoje, o risco de incidência de HIV por lesão de agulha é de 0,23%.22

Se ocorrer um acidente, uma estratégia preventiva chamada profilaxia pós-exposição (PEP) pode evitar uma infecção se iniciada dentro de 72 horas após a exposição. Pep envolve um curso de 28 dias de drogas antirretrovirais e pode reduzir a probabilidade de HIV de uma exposição de alto risco em 81% No Brasil é sabido que PEP feita com correção e sem erros não permite soroconversão. Fonte: Disque AIDS. 23

Transfusões de Sangue

Nos primeiros dias da pandemia de AIDS, uma transfusão de sangue era uma causa comum de infecção pelo HIV. Com a instituição do rastreamento de sangue do HIV em 1985 e o rastreamento universal de sangue em 1992, a probabilidade de transmissão por essa rota é quase inédita. 24

De fato, segundo o CDC, houve apenas três casos confirmados de HIV de uma estimativa de 2,5 milhões de transfusões de sangue de 1999 a 2013. 25

Da mesma forma, as regulamentações estaduais que regem o licenciamento de tatuagens e salões perfurantes também tornaram esses procedimentos como causas improváveis de infecção por HIV. Até o momento, não há casos documentados de transmissão do HIV por tatuagem ou piercing corporal. O CDC considera o risco insignificante. 1

Entender as causas e fatores de risco do HIV pode ajudá-lo a desenvolver estratégias para se proteger, quer você tenha HIV ou não. Este primeiro passo é ser diagnosticado e conhecer seu estado de HIV.

Se você não tem HIV, você pode evitar infecções usando preservativos, reduzindo seu número de parceiros sexuais ou usando uma estratégia preventiva chamada profilaxia pré-exposição (PrEP), que pode reduzir o risco de HIV em até 99%. 26

Se você tem HIV, o tratamento precoce pode reduzir o risco de doenças graves relacionadas ao HIV e não-HIV em mais de metade do ano, permitindo que você desfrute de uma expectativa de vida normal e quase normal. 28 Além disso, ter uma carga viral indetectável reduz o risco de infectar outras pessoas a quase zero. 7

PERGUNTAS FREQUENTES
  • Qual é a causa do HIV?

HIV significa o vírus da imunodeficiência humana. O vírus causa doenças mirando e matando células imunes, chamadas células T CD4, que são responsáveis por coordenar a defesa imunológica. À medida que essas células são progressivamente destruídas, o corpo se torna cada vez menos capaz de se defender contra infecções que poderia controlar de outra forma. 29

  • O que causa aids?

“AIDS” é o termo usado para descrever o estágio em que o sistema imunológico é comprometido pela infecção pelo HIV. Tradicionalmente, a AIDS é diagnosticada quando a contagem de CD4 cai abaixo de 200 ou quando você tem qualquer uma das 29 doenças diferentes classificadas como condições definidoras da AIDS. 30

  • Como se contrai HIV?

A maioria das pessoas pega HIV através do sexo, ou seja, sexo vaginal ou anal. O HIV também pode ser transmitido através de agulhas compartilhadas ou lesões de agulhas em ambientes de saúde. Mães com HIV podem passar o vírus para seus bebês durante a gravidez31 (embora isso seja menos comum nos Estados Unidos devido aos testes de rotina e tratamento das mães durante a assistência perinatal). 18

  • Quais são as maneiras de você não conseguir HIV?

Você não pode obter HIV de beijar, tocar, abraçar, assentos de privada, utensílios compartilhados ou picadas de mosquitos. 30 No passado, havia o risco de obter HIV de uma transfusão de sangue, mas isso raramente ocorre nos Estados Unidos devido à triagem de sangue de rotina. 24 Tatuagem e piercing podem teoricamente transmitir HIV, mas ainda não houve um caso documentado disso ocorrendo nos Estados Unidos. 32

  • O que está em risco para o HIV?

O risco de contrair HIV é maior para:31

  • Pessoas que fazem sexo sem camisinha
  • Pessoas com múltiplos parceiros sexuais
  • Usuários de drogas injetáveis que compartilham agulhas
  • Pessoas negras e latinas
  • Pessoas trans, especialmente mulheres trans
  • Homens que fazem sexo com homens (HSH)
  • Fazer sexo com alguém que compartilha agulhas ou tem múltiplos parceiros sexuais
  • Ter outra infecção sexualmente transmissível (IST)
  • Você pode obter HIV de sexo oral?

Teoricamente, você pode, mas há poucos casos documentados disso ocorrendo. Isso ocorre em parte porque o ambiente na boca é hostil ao vírus e os tecidos da boca não são tão suscetíveis quanto algumas outras áreas do corpo. 33 Mesmo assim, outras IST podem ser passadas através do sexo oral, mas podem ser evitadas com preservativos ou barragens dentárias.

  • Por que as pessoas trans negras, especialmente as mulheres trans negras, e os gays são mais propensos a testar o HIV positivo?

Existem vários fatores que contribuem para isso. Transfobia, homofobia e estigma do HIV contribuem para altas taxas de negação, sigilo e depressão. Isso, por sua vez, aumenta o risco de abuso de substâncias ou álcool e comportamentos de risco. Os negros também experimentam maiores taxas de criminalização e desabrigamento em comparação com a população em geral. Esses fatores são aditivos e resultam em maior probabilidade de testar positivo para HIV na vida. A extrema vulnerabilidade dos tecidos retal e das redes sexuais menores gays e trans devido às razões acima indicadas também contribuem. 34

 

 

 

Tem algo a dizer? Diga!!! Este blog, e o mundo, é muito melhor com amigos!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.