Vaginose bacteriana

Vaginose Bacteriana – Doença Inflamatória Pélvica

[vc_row][vc_column][vc_column_text]

Vaginose Bacteriana – Um Guia – Fatos que toda mulher deve saber

O que é vaginose bacteriana?

 

Vaginose bacteriana (V) é uma condição comum, mas frustrante, na qual o equilíbrio das bactérias na vagina fica fora de sincronia. Normalmente, o corpo é capaz de manter o equilíbrio ideal. Mas se o equilíbrio for interrompido, certos tipos de bactérias podem crescer demais e causar sintomas.

A VB é prontamente tratado e geralmente não causa outros problemas de saúde. Dito isso, pode aumentar o risco de contra-ataque sexualmente (DST) ou levar a complicações de parto em pessoas grávidas.

 

Este artigo analisa os sintomas, causas e fatores de risco da vaginose bacteriana. Também explica como A VB é diagnosticado, tratado e prevenido.

Sintomas de vaginose bacteriana

Das 21 milhões de mulheres nos Estados Unidos que acreditam ter vaginose bacteriana a cada ano, apenas cerca de três milhões realmente têm sintomas. 1

Quando ocorrem, os sintomas de VB tendem a ser leves, mas persistentes e podem incluir: (“FATOS SOBRE VAGINOSE BACTERIANA QUE TODA MULHER DEVE SABER …”)

  • Uma descarga vaginal acinzentado-branco ou amarelo
  • Um cheiro “suspeito” que pode piorar depois da relação sexual
  • Uma sensação de queimação ao urinar
  • Coceira vaginal, vermelhidão e inchaço
  • Sangramento vaginal após a relação sexual

Embora os sintomas de VB raramente sejam graves, eles podem enfraquecer os tecidos vaginais e aumentar o risco de DSTs como gonorreia, clamídia, trichomoniase e HIV.

Se uma infecção ocorre durante a gravidez, há um risco aumentado de nascimento prematuro (prematuro), baixo peso ao nascer e, em raros casos, aborto. (“FATOS SOBRE VAGINOSE BACTERIANA QUE TODA MULHER DEVE SABER …”) algarismo

Recapitular

Os sintomas da vaginose bacteriana incluem uma descarga vaginal com cheiro de peixe. Coceira, vermelhidão, inchaço, queimaduras com urinação e sangramento com relação sexual também são comuns.

Sinais e Sintomas da Vaginose Bacteriana

Causas

Vaginose bacteriana ocorre quando o nível de bactérias “boas” na vagina cai repentinamente. Isso permite que bactérias “ruins” cresçam excessivamente. A principal bactéria “boa”, chamada lactobacillus, torna a vagina ligeiramente ácida para que bactérias “ruins” não possam crescer demais.

O sexo pode instigar A VB introduzindo novas ou excessivas quantidades de bactérias na vagina.

Algumas das causas mais comuns de VB incluem:3

  • Sexo sem camisinha
  • Múltiplos parceiros sexuais
  • Novos parceiros sexuais
  • Brinquedos sexuais compartilhados
  • Ducha
  • Banhos de espuma
  • Desodorantes vaginais
  • Tabagismo
  • Dispositivos intrauterinos (IDUs)

Acredita-se também que a genética tenha um papel, seja promovendo inflamação ou causando a produção inadequada de lactobacilo. 4

Recapitular

Sexo pode levar à vaginose bacteriana introduzindo novas bactérias na vagina, isso é especialmente verdade se você não usar preservativos ou ter múltiplos parceiros sexuais. Fumar, douching e IUDs também podem aumentar o risco.

Causas e fatores de risco da Vaginose Bacteriana

Diagnóstico

Uma vez que a vaginose bacteriana não é causada por um único agente, o diagnóstico é em grande parte baseado em uma revisão do seu histórico médico e sintomas, juntamente com vários testes e procedimentos laboratoriais.

Estes incluem:5

O exame microscópico procuraria por “células de pista” (ou seja, células vaginais cravejadas de bactérias). A mancha de agrama também seria usada para diferenciar bactérias “boas” das “ruins”, permitindo que o laboratório verificasse se há desequilíbrios na flora vaginal. 6

Testes adicionais podem ser realizados para descartar outras possíveis causas, como uma infecção por levedura ou herpes genital.

Recapitular

O diagnóstico de vaginose bacteriana normalmente envolve uma revisão dos sintomas e histórico médico, um exame pélvico, um teste de pH vaginal e uma avaliação microscópica de fluidos vaginais.

Como a vaginose bacteriana é diagnosticada

Tratamento

O tratamento padrão para vaginose bacteriana é um curso curto de antibióticos. 7 Antibióticos são uma classe de drogas que tratam especificamente infecções bacterianas.

As opções de primeira linha são Flagyl (metronidazole) e clindamicina. Ambos são altamente eficazes no tratamento de VB e têm efeitos colaterais relativamente leves. (“FATOS SOBRE VAGINOSE BACTERIANA QUE TODA MULHER DEVE SABER …”)

Os regimes preferenciais de primeira linha incluem:

  • Metronidazol 500 miligramas (mg) tomados pela boca duas vezes por dia durante sete dias
  • Metronidazol 0,75% de gel vaginal aplicado uma vez por dia durante cinco dias
  • Clindamicina 2,0% creme vaginal aplicado na hora de dormir por sete dias

Os tratamentos alternativos incluem um supositório vaginal de cliindamicina ou  comprimidos Tindamax (tinidazole). 8 Apesar da eficácia desses medicamentos, a recidiva é comum e pode exigir múltiplos tratamentos para limpar totalmente a infecção.

Os efeitos colaterais incluem náusea, dor de estômago, tosse, dor de garganta, coriza e um gosto metálico na boca.

Além dos antibióticos, vários remédios de apoio podem ajudar. Estes incluem probióticos (bactérias vivas benéficas encontradas em iogurte e suplementos probióticos) que podem ajudar a prevenir uma recidiva.  O ácido bórico (disponível como cápsula e supositório vaginal) é um remédio antigo que atrai interesse médico renovado. 9

Durante o tratamento, use calças ou saias mais soltas para reduzir a umidade vaginal e o calor que podem promover o crescimento bacteriano. Você também pode reduzir a coceira e o inchaço aplicando um pano fresco na vagina ou espirrando-o com água fria.

Recapitular

Os antibióticos de primeira linha usados para tratar vaginose bacteriana incluem metronidazol oral (também conhecido como Flagyl), metronidazol tópico e clindamicina tópica.

Opções de tratamento para vaginose bacteriana

Guia de Discussão médico vaginose bacteriana

“Obtenha nosso guia imprimível para a próxima consulta médica para ajudá-lo a fazer as perguntas certas.” (“Interpretando os Resultados Dos Testes HIV/AIDS”)

 

Prevenção

Por mais comum que a vaginose bacteriana seja, há coisas que você pode fazer para reduzir o seu risco. Estes incluem práticas sexuais mais seguras e prática de boa higiene vaginal. 10

Para prevenir vaginose bacteriana:

  • Limitar o número de parceiros sexuais.
  • Use preservativos corretamente e de forma consistente.
  • Não faça ducha.
  • Evite banhos de espuma e desodorantes vaginais.
  • Limpe da frente para trás depois de urinar.
  • Evite DIU se você tiver VB recorrente ou tiver tido IV grave no passado.

Recapitular

Você pode reduzir o risco de VB praticando sexo mais seguro, evitando douching, e limpando da frente para trás depois de fazer xixi. Você pode ser aconselhado a evitar DIU se você tiver VB recorrente.

Resumo

Vaginose bacteriana (VUL) é uma infecção comum causada por um desequilíbrio da flora vaginal. Quando bactérias “boas” como lactobacillus são anormalmente baixas, bactérias “ruins” podem crescer demais, causando vermelhidão vaginal, coceira, inchaço e uma descarga com cheiro de peixe.

Sexo pode levar a À VB introduzindo novas bactérias no corpo. Os fatores de risco incluem sexo sem preservativo, múltiplos parceiros sexuais, tabagismo, douching e IUDs.

O diagnóstico de VV normalmente envolve um exame pélvico, um teste de pH vaginal e uma avaliação microscópica de fluidos vaginais. A VB é tratada com antibióticos orais ou tópicos, mais comumente metronidazol e clindamicina.

O risco de VB pode ser reduzido praticando sexo mais seguro, evitando douching, e limpando da frente para trás após a urinação. Pessoas com VB recorrente ou grave podem ser aconselhadas a evitar DIU.

Ponto a ponderar

Mesmo com os melhores esforços de prevenção, a vaginose bacteriana pode ocorrer. (“FATOS SOBRE VAGINOSE BACTERIANA QUE TODA MULHER DEVE SABER …”) Tente não se estressar. Em vez disso, procure tratamento e faça todos os esforços para evitar o agravamento da condição.

Se for prescrito antibiótico, não pare cedo mesmo que os sintomas desapareçam. Se você fizer isso, a resistência a antibióticos pode ocorrer, tornando a infecção mais difícil de tratar se ela retornar.

Traduzido por Cláudio Souza do original em What Is Bacterial Vaginosis? escrito por Elizabeth Boskey, PhD Atualizado em 02 de fevereiro de 2022 e Medicamente revisado por Latesha Elopre, MD, MSPH

10 Fontes

 

  1. Koumans EH, Sternberg M, Bruce C, et al. The prevalence of bacterial vaginosis in the United States, 2001-2004; associations with symptoms, sexual behaviors, and reproductive healthSex Transm Dis. 2007;34(11):864-869.
  2. McDonald HM, Brocklehurst P, Gordon A. Antibiotics for treating bacterial vaginosis in pregnancyCochrane Database Syst Rev. 2007;(1):CD000262. doi:10.1002/14651858.CD000262.pub3
  3. Centers for Disease Control and Prevention. Sexually Transmitted Infections Treatment Guidelines. Bacterial vaginosis.
  4. Mackelprang RD, Scoville CW, Cohen CR, et al. Toll-like receptor gene variants and bacterial vaginosis among HIV-1 infected and uninfected African womenGenes Immun. 2015;16(5):362–365. doi:10.1038/gene.2015.13
  5. Money D. The laboratory diagnosis of bacterial vaginosisCan J Infect Dis Med Microbiol. 2005;16(2):77–79. doi:10.1155/2005/230319
  6. Cook RL, Reid G, Pond DG, Schmitt CA, Sobel JD. Clue cells in bacterial vaginosis: immunofluorescent identification of the adherent gram-negative bacteria as gardnerella vaginalisJ Infect Dis. 1989;160(3):490-496.
  7. Bradshaw CS, Sobel JD. Current treatment of bacterial vaginosis-limitations and need for innovationJ Infect Dis. 2016;214(Suppl 1):S14–S20. doi:10.1093/infdis/jiw159
  8. Menard JP. Antibacterial treatment of bacterial vaginosis: current and emerging therapiesInt J Womens Health. 2011;3:295–305. doi:10.2147/IJWH.S23814
  9. Homayouni A, Bastani P, Ziyadi S, et al. Effects of probiotics on the recurrence of bacterial vaginosis: a reviewJ Low Genit Tract Dis. 2014;18(1):79-86.
  10. Muzny CA, Schwebke JR. Pathogenesis of bacterial vaginosis: discussion of current hypothesesJ Infect Dis. 2016;214(Suppl 1):S1–S5. doi:10.1093/infdis/jiw121

Additional Reading

[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row]

Tem algo a dizer? Diga!!! Este blog, e o mundo, é muito melhor com amigos!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.