Garot, usuáia e efavirenz às portas do suicídio

O uso de efavirenz aumenta o risco de suicídio em pessoas com HIV?

Nota do TRADUTOR: Há uma contante alusão ao acrônimo ACTG que representa, na língua inglesa AIDS Clinical Trials Group que, em tradução livre seria: Grupo de ensaios clínicos de AIDS que é uma forma de se dizer que seres humanos estão sendo usados como cobaias e, embora eu reconheça a necessidade destes ACTG o caso abaixo ofende o pouco de moral que ainda me resta e se traduzo isso não apenas para dar ensejo a pessoas ou familiares de pessoas perdidas por conta destas ilações que chegam agora , aos seus olhos e, por outro lado, alma incauta, sedenta de salvação ou benemerência, que lhe sirva de aviso sobre que pode haver por detrás de um “convite como este” (…)

efavirenzPensamentos suicidas, tentativas de suicídio e morte por suicídio foram mais do que duas vezes mais comuns entre as pessoas com HIV que iniciaram o tratamento com efavirenz (Sustiva ou Stocrin, também na pílula de combinação Atripla), mas o risco global foi bastante baixo, de acordo com uma análise combinada de quatro ensaios de ACTG apresentados na sexta-feira na reunião IDWeek 2013 em San Francisco.

Efavirenz tem uma associação bem conhecida com efeitos colaterais no sistema nervoso central que podem incluir sonhos anormais, depressão e ansiedade. Vários estudos relataram casos de suicídio entre pessoas que tomaram efavirenz, mas sua frequência não foi determinada. O pacote Sustiva insere que suicídio, delírios e comportamento psicóticos foram relatados entre as pessoas que tomaram a droga, mas “uma relação causal ao uso de Sustiva não pode ser determinada a partir desses relatórios”.

Katie Mollan da Universidade da Carolina do Norte e seus colegas desenvolveram um estudo para estimar a incidência de “possibilidade de pensamentos suicidas” e comparar o tempo de possibilidade de pensamentos suicidas entre os adultos ingênuos do tratamento com HIV que foram aleatoriamente designados a receber “efavirenz-free” ou regimes sem efavirenz em AIDS Estudos de Grupo de Ensaios Clínicos (ACTG) realizados entre 2001 e 2010. “Suicidabilidade” (NT: Neologismo repugnante em dois idiomas) foi definido como um composto de pensamentos suicidas (ideação), tentativas ou suicídios concluídos (…).

Barefoot Hangman at night in the door frame. Sad conceptual image representing suicide.

 

Esta análise retrospectiva incluiu 3241 participantes de estudos randomizados para regimes contendo efavirenz e 2091 atribuídos a combinações livres de efavirenz. As características basais foram semelhantes nos dois grupos. Quase três quartos eram homens e a idade média era de cerca de 36 anos. Cerca de 75% eram dos EUA; Dentro deste grupo, 39% eram brancos e 36% eram pretos. Cerca de 15% tinham diagnóstico prévio de AIDS, 8% tinham história de uso de drogas injetáveis, um terço tinha histórico de diagnóstico psiquiátrico ou prescrição psiquiátrica e 10% receberam antidepressivos.

Os quatro ensaios na análise (A5095, A5142, A5175 e A5202) – três dos quais foram testados em teste aberto com efavirenz em associação com inibidores nucleósidos / nucleótidos da transcriptase reversa (INTI) incluindo AZT (zidovudina, Retrovir), 3TC (lamivudina, Epivir), abacavir (Ziagen), emtricitabina (Emtriva) e / ou tenofovir (Viread, ou com emtricitabina em Truvada); um ensaio combinou efavirenz com lopinavir / ritonavir (Kaletra). Os regimes de comparação sem efavirenz incluíram três NRTIs ou lopinavir / ritonavir ou atazanavir reforçando (Reyataz) mais dois NRTIs.

Os participantes foram seguidos por uma mediana de 150 semanas, ou cerca de três anos. Para dois ensaios, a análise primária incluiu resultados até que a segurança dos dados e os painéis de monitorização recomendassem parar os braços livres de efavirenz devido a eficácia inferior; Efavirenz continuou o tratamento e seguimento até um máximo de 184 semanas.
Um total de 47 eventos suicidais ocorreram nos braços contendo efavirenz, comparados com 15 nos braços livres de efavirenz, durante o período de comparação, para as taxas de eventos de 8,08 e 3,66 por 1000 pessoas-ano, respetivamente. A razão de risco (HR) para possibilidade de pensamentos suicidas era 2,28 – ou mais de duas vezes o risco – em uma análise de intenção de tratar e a diferença era estatisticamente significativa. Uma análise tratada mostrou um padrão semelhante com uma razão de risco de 2,16.

Em ambos os grupos, a incidência de suicídio aumentou mais acentuadamente nos primeiros seis meses após o início da terapia antirretroviral. Entre as pessoas tomando efavirenz, a incidência aumentou de forma constante, com outro salto apoós um período  em torno de dois anos e meio. No grupo sem efavirenz, a suicidalidade estabilizou-se cerca de 30 semanas após o início do estudo, com um novo aumento em torno de dois anos.

Deixando de lado pensamentos suicidas ou ideação, houve 17 tentativas ou suicídios concluídas (terminando em morte) entre as pessoas randomizadas para regimes contendo efavirenz, em comparação com cinco entre aqueles que tomaram combinações livres de efavirenz. Isto deu razões de perigo de 2,58 para a análise de intenção de tratar e de 2,30 para a análise como tratada.

Depois de os braços livres de efavirenz terem sido interrompidos em dois ensaios, o número total de tentativas ou de suicídios concluídos atingiu 27 entre os receptores de efavirenz e sete entre os que anteriormente estavam nos braços sem efavirenz, para uma razão de risco de 2,60 .

Fatores significativamente associados com possibilidade de pensamentos suicidas em uma análise multi variada incluíram efavirenz, idade mais jovem (HR 2,80 para idade <30) e história de uso de drogas injetáveis ​​(HR 2,18). Mas o maior fator de risco foi o diagnóstico psiquiátrico prévio ou o uso de medicamentos psiquiátricos, com uma taxa de risco de 3,90 – um risco quase quatro vezes maior.

Os pesquisadores concluíram que o tratamento inicial com um esquema contendo efavirenz estava associado a um aumento de duas vezes no risco de suicídio e um risco 2,5 vezes maior de tentativa ou suicídio concluído.
“Suicidabilidade (…) era incomum, mas relatado em cada estudo e subgrupo avaliado,” eles adicionaram.

Eles também observaram que a morte por suicídio, lesões, ou causas desconhecidas – que às vezes são combinadas quando relatando resultados do estudo para suicídio, e recomendou que “uma atenção cuidadosa deve ser paga à causa do resultado da morte em todos os ensaios clínicos”.

Como nota de advertência, Joel Gallant, do Centro de Assistência do Sudoeste, observou que mais relatos sobre efeitos colaterais neuro-psiquiátricos e suicídio relacionados ao efavirenz estão saindo agora, já que a droga está prestes a desaparecer. “Só no momento em que se torna genérico, as pessoas passam a encontrar mil e uma razões pelas quais não deveríamos usá-lo”, disse ele.

Traduzido por Cláudio Souza, do original em Does efavirenz use raise the risk of suicide in people with HIV? em XXVII-V-MMXXVII

Revisão pendente

 

cauE eu faço coro com ele, Joel Gallant.

Enquanto rende milhões, e é sempre assim, com qualquer remédio, para tratar qualquer patologia a métrica é a mesma:

Deixemo-las, as vítimas, conquanto nos tragam lucros…Quando estivermos bem próximos de vê-los se tornarem genéricos… bem… aí, nós avisamos

 

 

Tem algo a dizer? Diga!!! Este blog, e o mundo, é muito melhor com amigos!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.