Após “revelação divina”, soropositivo abandona tratamento e morre

 A sabedoria popular defende que a fé remove até montanhas. No caso do desempregado Gilson de Oliveira Silva, 44 anos, a fé não foi suficiente para livrá-lo dos efeitos do vírus HIV. Depois de frequentar a Igreja Ministério do Fogo por um ano e ter ouvido uma revelação de que estaria curado, Gilson suspendeu por seis meses o tratamento com coquetéis.

 

Na segunda-feira (31), foi sepultado no Cemitério Quinta dos Lázaros. Segundo Simone Oliveira Silva, irmã de Gilson, ele sofria muito em virtude do HIV e de um câncer que teve na face. “Ele estava desesperado. A fé nessas revelações cegaram meu irmão”, afirma Simone, que ainda quer detalhes sobre o que teria levado Gilson a abandonar os medicamentos.

 

Ela contou que foi agredida pelos membros da igreja e pela própria pastora e promete levar o caso à Justiça. A sede da Igreja Ministério do Fogo fica numa transversal da Avenida Jorge Amado, no Imbuí. A casa, sem identificação, estava fechada na manhã de segunda-feira (31).

 

Vizinhos que não quiseram se identificar disseram que a igreja é uma chaga no local.Uma senhora garantiu que a líder religiosa manipula os fiéis. “Se uma mulher é casada e o marido não vai ao culto, ela inventa histórias pra a pessoa ficar impressionada até arranjar outro”, contou.

 

Uma moradora da rua onde está a igreja afirma que o local é sempre palco de confusões e muito barulho. “Eles enganam as pessoas dizendo que são de Cristo. Fizeram a maior confusão quando a família do rapaz (Gilson) chegou”, diz a moradora, garantindo que não é a primeira vez que a pastora faz promessas de cura.

 

Segundo o criminalista Sérgio Reis, abusos de pessoas que se dizem agentes da fé ou enviados de Deus podem ser denunciados à polícia e ao Ministério Público, pois tais cultos geram prejuízos à comunidade. “Nesse caso específico, enquanto acreditava estar curado, o rapaz pode ter até transmitido o vírus para outras pessoas. É preciso que em situações assim haja a interferência dos poderes públicos”, defende.

 

Gilson recebia os coquetéis contra o HIV no Hospital das Clínicas. O infectologista Eduardo Martins Neto não confirmou se ele deixou de pegar os medicamentos, mas contou que os pacientes são orientados sobre a necessidade de manter o tratamento. “Algumas vezes, fazemos contato com pacientes faltosos, mas não há como controlar toda a demanda”, disse.

CORREIO DA BAHIA – BA

Editoria: Pág. Dia / Mês/Ano:

AQUI SALVADOR

 

03/Setembro/09

 

Tem algo a dizer? Diga!!! Este blog, e o mundo, é muito melhor com amigos!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.