A Importância da Saúde Bucal

Quan­do uma pes­soa se tor­na in­fec­ta­da pe­lo HIV, ela tem que ter uma se­rie de cui­da­dos pa­ra ga­ran­tir sua saúde. Nes­ta série de cui­da­dos es­ta in­se­ri­da a pre­ser­vação de sua saúde bu­cal.

O QUE É SAÚDE BU­CAL?

Saúde bu­cal re­pre­sen­ta uma porção in­di­visível da saúde ge­ral. Ter saúde bu­cal não sig­ni­fi­ca ape­nas ter den­tes per­fei­tos e gen­gi­vas saudáveis, mas in­divídu­os saudáveis com bo­ca saudável. A bo­ca é o meio pe­lo qual nos co­mu­ni­ca­mos e ex­pres­sa­mos os nos­sos me­lho­res ( e pi­o­res ) sen­ti­men­tos. Ter saúde bu­cal é po­der­mos sor­rir quan­do es­ta­mos fe­li­zes, é não trin­car os den­tes quan­do es­ta­mos ner­vo­sos, é não dei­xar de es­co­var os den­tes quan­do es­ta­mos tris­tes, an­si­o­sos ou de­pri­mi­dos.

O QUE É TER UMA BO­CA SAUDÁVEL?

Bo­ca saudável é aque­la sem cárie, sem do­enças pe­ri­o­don­tal, sem fe­ri­das, de ma­nei­ra que você pos­sa mas­ti­gar, en­go­lir, fa­lar e sor­rir. É im­por­tan­te re­co­nhe­cer a in­ter­li­gação en­tre os di­ver­sos sis­te­mas do cor­po, por ex­em­plo: den­tes sem ca­rie e gen­gi­va saudável fa­zem com que você exe­cu­te uma boa mas­ti­gação, a boa mas­ti­gação le­va a uma boa di­gestão e as­sim por di­an­te. A estéti­ca tão cul­tu­a­da também é im­por­tan­te. É mui­to le­gal po­der sor­rir sem trau­mas, po­rem, não adi­an­ta Ter den­tes for­tes com a gen­gi­va san­gran­do.

O QUE EU POS­SO FA­ZER PA­RA TER UMA BOA SAÚDE BU­CAL?

Ter saúde bu­cal é, an­tes de tu­do, um de­se­jo e pre­o­cu­pação in­di­vi­du­al, ou se­ja, você pre­ci­sa que­rer ser co­la­bo­ra­dor ( a ) efi­caz na pro­moção da saúde bu­cal.

CO­MO MEU DEN­TIS­TA PO­DE AJU­DAR?

O seu den­tis­ta é seu par­cei­ro. Ele é ca­paz de cui­dar de to­das as al­te­rações que pos­sam ocor­rer em sua bo­ca, se­jam elas ca­ri­es, pro­ble­mas de gen­gi­va ou ou­tras do­enças co­mo can­didíase, her­pes etc. No en­tan­to, so­men­te com tra­ba­lho con­jun­to, en­tre você e seu den­tis­ta,. Vocês serão ca­pa­zes de che­gar ao ob­je­ti­vo co­mum que é Ter saúde bu­cal.

POR QUE EU DE­VO PRO­CU­RAR O DEN­TIS­TA?

Apro­xi­ma­da­men­te 50% das pes­so­as in­fec­ta­das por HIV po­derá Ter uma do­ença na bo­ca re­la­ci­o­na­da ao vírus Quan­to mais ce­do es­te pro­ble­ma for des­co­ber­to, mais fácil será tra­ta lo.

QUAIS SÃO ES­TAS DO­ENÇAS

To­das as do­enças des­cri­tas aqui não são es­pe­ci­fi­cas da in­fecção por HIV. O fa­to de um pa­ci­en­te pos­suir qual­quer uma de­las não sig­ni­fi­ca que es­te­ja com HIV. A ca­rie den­tal e a do­ença pe­ri­o­don­tal são as prin­ci­pais do­enças da bo­ca, in­de­pen­den­te­men­te de o pa­ci­en­te ser po­si­ti­vo ou não pa­ra HIV. A Can­didíase, o Her­pes Zos­ter, a Leu­co­pla­sia, o Sar­co­ma de Ka­po­si, e ti­pos es­pe­ci­ais de do­ença pe­ri­o­don­tal, são do­enças da bo­ca que, em­bo­ra não es­pecífi­cas, estão di­re­ta­men­te re­la­ci­o­na­das a in­fecção pe­lo HIV.

CA­RIE DENTÁRIA

carie-dentariaA ca­rie den­ta­ria é uma do­ença in­fec­ci­o­sa, cau­sa­da por bactéri­as, que po­dem pas­sar de uma pes­so­as pa­ra ou­tra, des­de que você te­nha uma di­e­ta ri­ca em açúcar. Os mi­cro­or­ga­nis­mos cau­sa­do­res da ca­rie for­mam colôni­as que ade­rem ao den­te através de uma pla­ca, cha­ma­da pla­ca bac­te­ri­a­na den­tal. Os mi­cro­or­ga­nis­mos ca­ri­ogêni­cos des­ta pla­ca aca­bam por fa­zer ima des­mi­ne­ra­li­zação do es­mal­te dentário. Se es­te pro­ces­so não é in­ter­rom­pi­do, a ca­rie se ins­ta­la, for­man­do uma ca­vi­da­de.

QUE MAIS PO­DE FA­ZER COM QUE EU TE­NHA CA­RI­ES?

Al­guns fa­to­res in­ter­fe­rem na mai­or ou me­nor quan­ti­da­de de ca­rie que um in­divíduo pos­sa Ter, par­ti­cu­lar­men­te nos in­divídu­os in­fec­ta­dos por HIV. Co­mo por ex­em­plo te­mos:

ME­DI­CA­MEN­TOS:

O uso re­gu­lar de mui­tos me­di­ca­men­tos po­de cau­sar ca­rie por dois me­ca­nis­mos: po­de cau­sar di­mi­nuição de sa­li­va na bo­ca, di­mi­nuin­do a ca­pa­ci­da­de de pro­teção, ou pe­la ne­ces­si­da­de de ser in­ge­ri­do com uma di­e­ta com al­tos te­o­res de ca­lo­ri­as, co­mo é o ca­so do Sa­qui­na­vir.

DI­E­TA:

Co­mo des­cri­to aci­ma, mui­tas ve­zes, por cau­sa dos di­ver­sos me­di­ca­men­tos uti­li­za­dos, o pa­ci­en­te pre­ci­sa de di­e­ta ri­ca em gor­du­ra, nor­mal­men­te as­so­ci­a­da com di­ver­sos ti­pos de açuca­res ( ex­em­plo: cho­co­la­te ) mo que au­men­ta a chan­ce de Ter cárie.

DI­FI­CUL­DA­DE DE ES­CO­VAÇÃO:

Às ve­zes, a pre­senças de fe­ri­das na bo­ca po­de cau­sar dor e di­fi­cul­da­de de es­co­vação.

O QUE POS­SO FA­ZER PA­RA DI­MI­NUIR O RIS­CO DE TER CÁRI­ES?

Você po­de di­mi­nuir o ris­co de Ter ca­ri­es, mes­mo que es­te­ja den­tro dos gru­pos aci­ma. Te­nha cons­ciência de que:

O tem­po de per­manência do ali­men­to açuca­ra­do na bo­ca e a quan­ti­da­de de ve­zes que ele é in­ge­ri­do são fun­da­men­tais pa­ra o apa­re­ci­men­to da ca­rie;

Quan­to mais por­ta­dor pe­ga­jo­so é o ali­men­to mai­or é o ris­co de ter ca­rie ( bis­coi­to re­che­a­do, ba­la de ca­ra­me­lo );

Atenção pa­ra o que vai co­mer, pois mui­tas ve­zes o ali­men­to te m açucar “es­con­di­do”, co­mo é o ca­so do ket­chup; · Es­co­var seus den­tes de for­ma cor­re­ta e re­gu­lar.

Você de­ve es­co­var seus den­tes e línguas após as re­feições e prin­ci­pal­men­te á noi­te, an­tes de dor­mir.

Use pas­ta den­tal com flúor.O fio ou fi­ta den­tal com­ple­men­tam a ação da es­co­va e, por­tan­to, de­vem ser usa­dos na mes­ma freqüência. Lem­bre se sem­pre: quan­to mai­or a freqüência de lim­pe­za, me­nos a pos­si­bi­li­da­de de de­sen­vol­ver cárie.O flúor é uma subs­tan­cia mui­to im­por­tan­te, pois aju­da na pro­teção do es­mal­te dos den­tes, tor­nan­do – os mais re­sis­ten­tes ao ata­que das bactéri­as. Você de­ve fa­zer uso re­gu­lar do flúor através de bo­che­chos e da pas­ta den­tal com flúor

LEM­BRE SE O AÇÚCAR DE ME­SA, DO­CES, CHO­CO­LA­TES E RE­FRI­GE­RAN­TES SÃO AS FON­TES MAIS CO­MUNS DE SA­CA­RO­SE, AGRA­VA­DO PE­LO CON­SU­MO RE­PE­TI­DO, A CUR­TOS IN­TER­VA­LOS, E OS ALI­MEN­TOS AÇUCA­RA­DOS COM TENDÊNCIA A ADE­RIR AOS DEN­TES SÃO OS PRIN­CI­PAIS CAU­SA­DO­RES DE CA­RI­ES. UMA DI­E­TA COM AL­TO TE­OR DE CA­LO­RI­AS NÃO SIG­NI­FI­CA, NE­CES­SA­RI­A­MEN­TE UMA DI­E­TA RI­CA EM AÇÚCAR

Doença-Periodontal-300x227O QUE É DO­ENÇA PE­RI­O­DON­TAL?

Co­mu­men­te co­nhe­ci­da co­mo do­ença da gen­gi­va, gen­gi­vi­te ou pi­orréia, es­ta do­ença ocor­re quan­do um ou mais dos te­ci­dos que compõem o pe­ri­o­don­to são afe­ta­dos . O pe­ri­o­don­to ( pe­ri = em re­dor de; odon­to = den­te ), com­pre­en­de os se­guin­tes te­ci­dos: a gen­gi­va, o li­ga­men­to pe­ri­o­don­tal ( fi­bras que unem o den­te ao os­so ), o ce­men­to ra­di­cu­lar ( te­ci­do que re­co­bre a raiz ) e os­so al­ve­o­lar ( te­ci­do que sus­ten­ta o den­te ). Você po­de per­der seus den­tes de­vi­do à do­ença pe­ri­o­don­tal.

O QUE CAU­SA A DO­ENÇA PE­RI­O­DON­TAL ?

Es­ta do­ença é pro­vo­ca­da pe­la pla­ca bac­te­ri­a­na, que é uma pelícu­la ou um agre­ga­do de bactéri­as que ade­re ao den­te ou às es­tru­tu­ras sóli­das das bo­ca. Se es­ta pla­ca não é re­mo­vi­da di­a­ri­a­men­te com es­co­va e foi/fi­ta den­tal, ela se tor­na uma substância du­ra, áspe­ra e po­ro­sa co­nhe­ci­da co­mo cálcu­lo ou tárta­ro dentário. As to­xi­nas pro­du­zi­das pe­las bactéri­as na pla­ca imi­tam a gen­gi­va, le­van­do à in­fla­mação; es­tas to­xi­nas des­tro­em os te­ci­dos de su­por­te ao re­dor dos den­tes, for­man­do bol­sas que são pre­en­chi­das por mais pla­ca, cau­san­do a do­ença pe­ri­o­don­tal, re­sul­tan­do em san­gren­to gen­gi­val, per­da do os­so al­ve­o­lar ( que sus­ten­ta o den­te ), mau háli­to e, co­ma pro­gressão, per­da do den­te. So­men­te um den­tis­ta po­de di­ag­nos­ti­car do­ença da gen­gi­va, por is­so é im­por­tan­te que você faça vi­si­tas re­gu­la­res, in­cluin­do sem­pre um exa­me pe­ri­o­don­tal com son­da­gem em to­dos os den­tes.

O QUE PO­DE ME LE­VAR A ACRE­DI­TAR QUE EU TE­NHO DO­ENÇA PE­RI­O­DON­TAL?

Os si­nais de pro­ble­mas na gen­gi­va são:

  • San­gra­men­to na gen­gi­va
  • Gen­gi­va ver­me­lha, in­cha­da ou do­lo­ri­da
  • Mau háli­to per­sis­ten­te
  • Pre­sença de pus en­tre as gen­gi­vas
  • Mo­bi­li­da­de ou afas­ta­men­to dos den­tes
  • Mu­dança da ma­nei­ra co­mo os den­tes se en­cai­xam ao fe­char a bo­ca
  • Mu­dança na ma­nei­ra de en­cai­xar de uma den­ta­du­ra par­ci­al

No en­tan­to, você po­de ter a do­ença pe­ri­o­don­tal e não Ter ne­nhum des­tes sin­to­mas, daí a im­portância da vi­si­ta re­gu­lar ao den­tis­ta

CO­MO EVI­TAR A DO­ENÇA PE­RI­O­DON­TAL?

Você po­de pre­ve­nir a do­ença pe­ri­o­don­tal re­mo­ven­do a pla­ca bac­te­ri­a­na den­tal ao es­co­var e pas­sar fio/fi­ta den­tal to­dos os di­as. Con­fi­ra com seu den­tis­ta se sua ma­nei­ra de es­co­var os den­tes es­ta cor­re­ta. Lim­pe­za pro­fis­si­o­nal, com um den­tis­ta ou hi­gi­e­nis­ta, po­de ser ne­cessária por­ta­dor pe­lo me­nos du­as ve­zes ao ano. Se você es­ta em tra­ta­men­to pa­ra do­ença pe­ri­o­don­tal po­dem ser ne­cessári­as vi­si­tas mais freqüen­tes.

DE­VO DI­ZER AO DEN­TIS­TA QUE SOU HIV PO­SI­TI­VO?

Ao vi­si­tar o den­tis­ta, você de­ve in­for­mar sua con­dição de por­ta­dor de HIV e for­ne­cer in­for­mações cla­ras e atu­ais a res­pei­to de sue es­ta­do de saúde, in­cluin­do re­sul­ta­dos de exa­mes la­bo­ra­to­ri­ais e o uso de me­di­ca­men­tos.

EXIS­TE AL­GU­MA DI­FE­RENÇA NO MEU TRA­TA­MEN­TO POR­QUE EU SOU HIV PO­SI­TI­VO?

Na in­fecção por HIV tem si­do ob­ser­va­do um ti­po de do­ença pe­ri­o­don­tal mais agres­si­vo e re­sis­ten­te ao tra­ta­men­to, mas, na mai­o­ria das ve­zes você será tra­ta­do da ma­nei­ra con­ven­ci­o­nal. es­te tra­ta­men­to con­sis­te da re­moção da pla­ca e cal­cu­lo dentário e ali­sa­men­to da su­perfície den­ta­ria. Nos ca­sos mais avançados, e de acor­do com o es­ta­do de sua bo­ca, po­de ser ne­cessário ci­rur­gia e ou­tras mo­da­li­da­des de tra­ta­men­to.

candidiase bucalO QUE É CAN­DIDÍASE BU­CAL?

Mais co­mu­men­te co­nhe­ci­da co­mo “sa­pi­nho”, es­ta lesão é cau­sa­da por fun­gos.

A can­didíase é vis­ta mais freqüen­te­men­te co­mo uma pla­ca bran­ca ou bran­co – ama­re­la­da, que po­de ser re­mo­vi­da por ras­pa­gem, dei­xan­do uma área ver­me­lha ou com san­gra­men­to. Po­de ser en­con­tra­da em qual­quer lu­gar da bo­ca e nor­mal­men­te não cau­sa dor.

EXIS­TEM OU­TRAS FOR­MAS DE CAN­DIDÍASE?

A can­didíase po­de se apre­sen­tar de ou­tras ma­nei­ras, co­mo can­didíase eri­te­ma­to­sa, uma área aver­me­lha­da no céu da bo­ca ( pa­la­to ) e na língua, ou co­mo pon­tos aver­me­lha­dos na par­te in­ter­na da bo­che­cha, e co­mo uma ou­tra lesão cha­ma­da que­li­te an­gu­lar, que são fis­su­ras ou ra­cha­du­ras nos can­tos da bo­ca que po­dem es­tar as­so­ci­a­das a úlce­ras, ver­me­lhidão e pla­cas bran­cas. Nor­mal­men­te cau­sa odor ao abrir a bo­ca.

QUAL A CAU­SA DO APA­RE­CI­MEN­TO DE UL­CE­RAS NA BO­CA DE UM PA­CI­EN­TE HIV PO­SI­TI­VO?

Es­te ti­po de fe­ri­da na bo­ca de um pa­ci­en­te por­ta­dor de HIV po­de Ter mui­tas cau­sas, den­tre elas: · Po­de ser uma af­ta · Po­de ser uma úlce­ra cau­sa­da pe­lo próprio vírus HIV ou ou­tros vírus Mas po­de ser uma lesão mais agres­si­va, co­mo um câncer na bo­ca; por is­so você tem que es­tar aten­to pa­ra to­da fe­ri­da em sua bo­ca que não ci­ca­tri­ze em 15 di­as. Se is­so não acon­te­cer você de­ve pro­cu­rar um den­tis­ta ou seu me­di­co.

foto-de-herpes-labialHER­PES SIM­PLES

Exis­tem va­ri­os ti­pos de vírus que po­dem in­fec­tar um in­divíduo, den­tre es­tes, a in­fecção pe­lo vírus her­pes sim­ples é uma das mais co­muns. Na bo­ca es­ta in­fecção apre­sen­ta tres for­mas:

Exis­tem va­ri­os ti­pos de vírus que po­dem in­fec­tar um in­divíduo, den­tre es­tes, a in­fecção pe­lo vírus her­pes sim­ples é uma das mais co­muns. Na bo­ca es­ta in­fecção apre­sen­ta tres for­mas:

Uma for­ma co­mum de apre­sen­tação con­sis­te de vesícu­las, prin­ci­pal­men­te no lábio in­fe­ri­or, pre­ce­di­das de uma área aver­me­lha­da, do­lo­ri­da, co­nhe­ci­da co­mo her­pes la­bi­al re­cor­ren­te. Es­tas vesícu­las se rom­pem e dei­xam re­giões ul­ce­ra­das, co­ber­tas por cros­tas, mui­to do­lo­ro­sas e per­sis­ten­tes. No pa­ci­en­te com AIDS as re­corrênci­as po­dem tor­nar – se mais freqüen­tes, com lesões mai­o­res e de mai­or du­ração.

Pe­que­nas ve­si­cu­las que se rom­pem e for­mam pe­que­nas úlce­ras que po­dem se unir e for­mar uma úlce­ra mai­or, de con­tor­no ir­re­gu­lar

Em in­divídu­os mais jo­vens e cri­anças, quan­do do con­ta­to ini­ci­al com o vírus, po­de ocor­rer, al­gu­mas ve­zes, um qua­dro se­ve­ro de aco­me­ti­men­to da mu­co­sa bu­cal, que vem acom­pa­nha de fe­bre al­ta e é co­nhe­ci­do co­mo es­to­ma­ti­te herpéti­ca primária. No pa­ci­en­te in­fec­ta­do pe­lo HIV po­de se apre­sen­tar de ma­nei­ra mais agres­si­va e dis­se­mi­na­da em to­da a bo­ca e em qual­quer ida­de.

Uma for­ma co­mum de apre­sen­tação con­sis­te de vesícu­las, prin­ci­pal­men­te no lábio in­fe­ri­or, pre­ce­di­das de uma área aver­me­lha­da, do­lo­ri­da, co­nhe­ci­da co­mo her­pes la­bi­al re­cor­ren­te. Es­tas vesícu­las se rom­pem e dei­xam re­giões ul­ce­ra­das, co­ber­tas por cros­tas, mui­to do­lo­ro­sas e per­sis­ten­tes.

No pa­ci­en­te com AIDS as re­corrênci­as po­dem tor­nar – se mais freqüen­tes, com lesões mai­o­res e de mai­or du­ração.

Pe­que­nas ve­si­cu­las que se rom­pem e for­mam pe­que­nas úlce­ras que po­dem se unir e for­mar uma úlce­ra mai­or, de con­tor­no ir­re­gu­lar.

Em in­divídu­os mais jo­vens e cri­anças, quan­do do con­ta­to ini­ci­al com o vírus, po­de ocor­rer, al­gu­mas ve­zes, um qua­dro se­ve­ro de aco­me­ti­men­to da mu­co­sa bu­cal, que vem acom­pa­nha de fe­bre al­ta e é co­nhe­ci­do co­mo es­to­ma­ti­te herpéti­ca primária. No pa­ci­en­te in­fec­ta­do pe­lo HIV po­de se apre­sen­tar de ma­nei­ra mais agres­si­va e dis­se­mi­na­da em to­da a bo­ca e em qual­quer ida­de.

LEU­CO­PLA­SIA PI­LO­SALEU­CO­PLA­SIA PI­LO­SA

É ou­tra lesão cau­sa­da por um vírus, cha­ma­do Vírus Eps­tein Barr. Apre­sen­ta – se co­mo uma lesão bran­ca, de su­perfície cor­ru­ga­da na bor­da la­te­ral da língua, não re­movível à ras­pa­gem. A pre­sença des­ta lesão na bo­ca de um pa­ci­en­te in­fec­ta­do pe­lo HIV re­pre­sen­ta um indício de com­pro­me­ti­men­to imu­nológi­co.

O QUE É HER­PES ZOS­TER OU CO­BREI­RO?

Es­ta do­ença é cau­sa­da por um vírus de­no­mi­na­do vírus va­ri­ce­la – zos­ter ( VHZ ). A in­fecção primária com es­te vírus é de­no­mi­na­da ca­ta­po­ra, a re­a­ti­vação des­te vírus ma­ni­fes­ta – se cli­ni­ca­men­te co­mo her­pes zos­ter. Quan­do aco­me­te a bo­ca, nor­mal­men­te ocor­re co­mo pe­que­nas ul­ce­rações, prin­ci­pal­men­te no pa­la­to ou língua, e ca­rac­te­ris­ti­ca­men­te acom­pa­nha um ra­mo de um ner­vo sen­si­ti­vo, não ul­tra­pas­san­do a li­nha média da re­gião aco­me­ti­da.

O QUE É DO­ENÇA POR CI­TO­ME­GA­LOVÍRUS ( CMV )?

CI­TO­ME­GA­LOVÍRUSEs­te vírus cau­sa di­ver­sas in­fecções ( ver in­fecções opor­tu­nis­tas ); mas, na bo­ca, po­de ocor­rer em qual­quer lu­gar, sen­do par­ti­cu­lar­men­te críti­co quan­do ocor­re na gen­gi­va, pois po­de si­mu­lar uma do­ença pe­ri­o­don­tal. O di­agnósti­co rápi­do e pre­ci­so é ne­cessário, pois a mo­da­li­da­de de tra­ta­men­to é com­ple­ta­men­te di­fe­ren­te da do­ença pe­ri­o­don­tal de ori­gem bac­te­ri­a­na pre­vi­a­men­te des­cri­ta.

O QUE É DO­ENÇA POR PA­PI­LO­MA VÍRUS HU­MA­NO?

Po­de se apre­sen­tar cli­ni­ca­men­te de vári­as for­mas, são as lesões co­nhe­ci­das co­mo pa­pi­lo­mas, con­di­lo­mas e ver­ru­gas. Lesões ele­va­das ou pla­nas, de su­perfície bran­ca, úni­cas ou múlti­plas, que po­dem ocor­rer em qual­quer lu­gar da bo­ca. O con­di­lo­ma acu­mi­na­do m( ver­ru­gas venére­as ) cos­tu­ma ser múlti­plo, po­de ocor­rer em qual­quer lu­gar da bo­ca e es­ta freqüen­te­men­te as­so­ci­a­do a lesões ge­ni­tais.

Kaposi’s_sarcoma_intraoral_AIDS_072_loresO QUE É SAR­CO­MA DE KA­PO­SI?

É um ti­po de tu­mor, o mais co­mum em pa­ci­en­tes com AIDS. As lesões po­dem se apre­sen­tar co­mo man­chas iso­la­das ou múlti­plas, de cor ver­me­lha ou vi­olácea. Po­dem se apre­sen­tar tam­bem co­mo um nódu­lo ou tu­mor ( au­men­to de vo­lu­me do te­ci­do ), va­ri­an­do de ta­ma­nho e cor. Os lu­ga­res mais co­muns são o pa­la­to e de­pois a gen­gi­va. As lesões da bo­ca po­dem in­di­car o com­pro­me­ti­men­to de ou­tras re­giões do cor­po. Ou­tros tu­mo­res de ori­gem bac­te­ri­a­na, fúngi­ca, ou viróti­ca po­dem aco­me­ter um pa­ci­en­te in­fec­ta­do pe­lo HIV ou com AIDS.

CO­MO POS­SO FA­ZER PA­RA SA­BER SE TE­NHO AL­GU­MA DES­TAS LESÕES?

Fa­zen­do o au­to exa­me da bo­ca e pro­cu­ran­do seu den­tis­ta re­gu­lar­men­te ou quan­do sen­tir qual­quer fe­ri­da ou au­men­to de vo­lu­me ou in­chaço na bo­ca. O au­to exa­me é sim­ples e a própria pes­soa po­de fa­zer di­an­te de um es­pe­lho em um lo­cal bem ilu­mi­na­do. Sua fi­na­li­da­de é iden­ti­fi­car lesões pre­cur­so­ras de câncer de bo­ca e qual­quer ou­tra lesão que apa­reça em sua bo­ca. Através des­te exa­me você po­de iden­ti­fi­car al­te­rações na cor da mu­co­sa de sua bo­ca, co­mo áre­as mais bran­cas ou ver­me­lhas, as quais no ini­cio de sua evo­lução não cos­tu­mam apre­sen­tar sin­to­mas ou des­con­for­to e são im­por­tan­tes no di­agnósti­co pre­co­ce de do­enças.

CO­MO FA­ZER O AU­TO EXA­ME DA BO­CA?

DE FREN­TE PA­RA O ES­PE­LHO, OB­SER­VE A PE­LE DO ROS­TO E PES­COÇO. VE­RI­FI­QUE SE EN­CON­TRA AL­GUM SI­NAL QUE VOCÊ NÃO TE­NHA VIS­TO AN­TES.

PU­XE, COM OS DE­DOS, O LÁBIO IN­FE­RI­OR PA­RA BAI­XO, EXI­BIN­DO A PAR­TE IN­TER­NA, EM SE­GUI­DA APALP0E TO­DO O LÁBIO.

COM A PON­TA DO DE­DO IN­DI­CA­DOR AFAS­TE A BO­CHE­CHA PA­RA EXA­MI­NAR A PAR­TE IN­TER­NA. FAÇA IS­SO DOS DOIS LA­DOS.

COM O DE­DO IN­DI­CA­DOR, PER­COR­RA TO­DA A GEN­GI­VA SU­PE­RI­OR E IN­FE­RI­OR.

IN­TRO­DU­ZA O DE­DO IN­DI­CA­DOR POR BAI­XO DA LÍNGUA E O PO­LE­GAR POR BAI­XO DO QUEI­XO E PRO­CU­RE APAL­PAR TO­DO O “AS­SO­A­LHO” DA BO­CA.

IN­CLI­NE A CA­BEÇA PA­RA TRÁS E, ABRIN­DO A BO­CA AO MÁXI­MO POSSÍVEL, OLHE ATEN­TA­MEN­TE O PA­LA­TO ( CÉU DA BO­CA ). APAL­PE – O COM O DE­DO IN­DI­CA­DOR. EM SE­GUI­DA DI­GA Ã Ã Ã… E OB­SER­VE O FUN­DO DE SUA GAR­GAN­TA.

PO­NHA LÍNGUA PA­RA FO­RA E OB­SER­VE A PAR­TE DE CI­MA. OLHE NO­VA­MEN­TE COM A LIN­GUA LE­VAN­TA­DA ATE O PA­LA­TO. EM SE­GUI­DA, PU­XAN­DO A LÍNGUA PA­RA A ES­QUER­DA, OB­SER­VE O LA­DO ES­QUER­DO DA MES­MA. RE­PI­TA O PRO­CE­DI­MEN­TO PA­RA O LA­DO DI­REI­TO

ES­TI­QUE A LÍNGUA PA­RA FO­RA, SE­GU­RAN­DO COM UM PE­DAÇO DE GA­ZE OU PA­NO E APAL­PE EM TO­DA A SUA EX­TENSÃO COM OS DE­DOS IN­DI­CA­DOR E PO­LE­GAR DA OU­TRA MÃO.

EXA­MI­NE O PES­COÇO. COM­PA­RE OS LA­DOS DI­REI­TO E ES­QUER­DO DO PES­COÇO E VE­JA SE HÁ DI­FE­RENÇA EN­TRE ELES. DE­POIS, COM A MÃO DI­REI­TA, EXA­MI­NE O LA­DO ES­QUER­DO DO PES­COÇO. RE­PI­TA O PRO­CE­DI­MEN­TO PA­RA O LA­DO DI­REI­TO, APAL­PAN­DO COM A MÃO ES­QUER­DA. VE­JA SE EXIS­TEM CA­ROÇOS OU ÁRE­AS EN­DU­RE­CI­DAS.

IN­TRO­DU­ZA O PO­LE­GAR POR DE­BAI­XO DO QUEI­XO E APAL­PE SU­A­VE­MEN­TE TO­DO O SEU CON­TOR­NO IN­FE­RI­OR.

Tex­to re­vi­sa­do por Ama­ri­lis In Me­mo­ri­an

http://soropositivo.org/wp-content/uploads/2009/06/VQ2aEp9PIMs?list=PL6921D559B31C423F&hl=en_US

Tem algo a dizer? Diga!!! Este blog, e o mundo, é muito melhor com amigos!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.