Como abordar indivíduos soronegativos para o HIV que repetidamente buscam testes sorológicos

O traço comum a estes indivíduos é o fato deles considerarem-se sob o risco de contaminação. Muitas vezes o medo da contaminação deriva de algo real, como a existência no passado de um comportamento de risco, e outras vezes este medo decorre de fantasias ou mesmo de delírios e alucinações. Tudo isto resulta em um intenso sentimento de culpa que só poderia ser aplacado pela presença de infecção pelo HIV, que significaria castigo.

Esta representação do HIV/AIDS como castigo faz parte do imaginário social em torno da AIDS. Nesta construção social, derivada da dificuldade em se lidar com a sexualidade e a morte, a AIDS foi caracterizada inicialmente como doença de homossexuais.

Num segundo momento passou a ser associada a grupos sociais considerados transgressores, marginais à sociedade (profissionais do sexo, homossexuais, travestis, usuário de drogas).

A AIDS, enquanto doença, é caracterizada como contagiosa, incurável e mortal, por isso ela se toma a própria metáfora da peste, com a função de desmascarar e punir aqueles que ousaram transgredir as normas sociais. Apesar de sabermos que a AIDS pode atingir a todos os indivíduos, esta significação subsiste no imaginário social e pessoal.

Cercado por estas representações sociais, o medo da contaminação adquire status de certeza na dinâmica psíquica do sujeito. O que está em jogo é a eclosão dos desejos inconscientes reprimidos até então, considerados proibidos, sendo portanto fonte de angústia e intensos conflitos.

Em busca de livrar-se da angústia e do sentimento de culpa este sujeito pode de forma inconsciente colocar-se em situações de risco e até mesmo se contaminar.

Este funcionamento pode existir com diferentes especificidades nas várias estruturações psíquicas. É fundamental que todos estes indivíduos sejam encaminhados para uma avaliação psicológica e psicoterápica, e se necessário um acompanhamento psiquiátrico.

11 comentários sobre “Como abordar indivíduos soronegativos para o HIV que repetidamente buscam testes sorológicos

  1. Boa tarde uma mulher qe hiv+fez sexo oral em e eu coloqei os dedos na sua vagina tmb fiz um teste de hiv com 15 dias dps deu negativo tou ainda muito aperreado quais as chances de se pegar o hiv no sexo oral ?

    Curtir

  2. Caro Cláudio , muito bom o seu site, tive um acidente com o meu preservativo em uma relação com um pessoa que pode ser considerada de risco por ter o sexo como profissão. Imediadatamente quando percebi eu parei oque está fazendo é entrei em pânico. Após 36 horas eu já estava utilizando o Pep. Com trinta dias eu fiz um teste no cta e deu negativo(teste bioeasy). Com cerca de quarenta dias eu está tendo o que eles chamam de aidsfobia e fiz um teste novamente e deu negativo também. Eu li os site mas te pergunto, posso estar somatizando dores e sintomas em função do meu medo. Me sinto fragilizado e ainda com muito medo. Este teste com 40 dias foi o rapidtest1/2. O que você poderia me responder. Posso começar a tentar esquecer este incidente em minha vida ou a janela imunológica para isso é de 60 dias mesmo é realmente posso estar soroconvertendo agora? Agradeço sua atenção. Obrigado.

    Curtir

  3. Se uma pessoa soropositiva, passar o dedo na língua (saliva) e depois passar sobre um arranhão de uma criança que veio a cair e arranhar o joelho e sangrar um pouquinho, ou seja (Saliva HIV+ e o Pequeno sangramento da criança HIV- ). Existe risco de contaminar a criança?

    Parabéns pelo seu trabalho e obrigado.

    Curtir

    1. Cara, este é o pior cenário que eu já vi em termos de “risco para contrair (ou transmitir HIV a outra pessoa).
      Felizmente, você está equivocado porque não há vírus ativo nem em quantidade suficiente para causar tal perigo. Se fosse assim, beigo na boca transmitiria HIV…

      Curtir

    2. Eu já respondi sua pergunta. Esta é a segunda vez que vc me pergunta isso num espaço de duas horas e meia. O que está acontecendo ai? Talvez eu possa ajudar de forma mais direta

      Curtir

  4. Vivo no Peru e passei por uma situação de risco depois de 38 dias fiz o teste elisa de 3 geraçao e o resultado foi negativo, depois que realizei o teste sentir um aperto na garganta e esquetamento e apareceu dois ganglios no meu pescoço , por favor, esse resultado é seguro? Obrigada!

    Curtir

  5. Vivo no Peru em Lima e passei por uma situação de risco depois de 38 dias fiz o teste elisa de 3 geraçao e o resultado foi negativo, depois que realizei o teste sentir um aperto na garganta e esquetamento e apareceu dois ganglios no meu pescoço , por favor, esse resultado é seguro? Obrigada!

    Curtir

Tem algo a dizer? Diga!!! Este blog, e o mundo, é muito melhor com amigos!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.